terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Semana Brewdog

‪A marca conhecida por suas cervejas fermentadas cheias de personalidade e qualidade incomparável, essa semana está com preços imperdíveis. Se você é cervejeiro de plantão nós temos 3 packs com cervejas mais que especiais. Beer Pack com 12 garrafas por R$ 199,00. São 4 Ipa is Dead, 4 Hardcore Ipa e 4 Punk Ipa. Beer Pack com 9 garrafas por R$ 139,00. São 3 Punk Ipa, 3 Hardcore e 3 Jack Hammer. Beer Pack com 4 garrafas por R$ 99,00. São 4 Ipa is Dead: Pionner, Chinook, Mandarina Bavaria e Ella.


Produtos com validade até 18/03. ESTOQUE LIMITADO. Clique e confira: http://goo.gl/32rNVN
#‎brewdog‬ ‪#‎cervejasespeciais‬ ‪#‎beerforpunks‬ ‪#‎punkipa‬ ‪#‎hardcore‬ ‪#‎ipaisdead‬

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Primitivo x Zinfandel

Primitivo ou Zinfandel? Uma delas é produzida na Itália. A outra é distintamente californiana. Uma está na história há alguns séculos, a outra há menos de 200 anos. Um teste de DNA diz que elas são a mesma cepa. Alguns já dizem o contrário. A resposta correta? O vinho responderá! A Primitivo e a Zinfandel podem produzir uma grande variedade de vinhos e alguns podem ser realmente maravilhosos. Começamos com a uva Primitivo por estar na história há mais tempo, e ser mais conhecida que a Zinfandel.




Rastreando a linhagem da Primitivo, ela aparece desde os antigos fenícios que se estabeleceram na província de Puglia (Apúlia), o salto da bota na Itália, região que produz mais vinho do que todo o continente da Austrália. As videiras são estimuladas aos seus maiores rendimentos, a maioria dos quais acabam por serem enviados tanto para o norte para compor com outros vinhos ou utilizada na re-fermentação de álcool industrial. Este foi um dos motivos para a uva Primitivo ser considerada uma cepa inferior e utilizada em pequenas proporções, nos cortes de Amarone ou vendidas para produtores do Piemonte e da Toscana, isto no passado, pois hoje prospera em sua terra natal - Puglia, sua ascensão deu-se somente após o rastreamento genético, quando passou a produzir vinhos varietais com foco no mercado americano - alguns, inclusive, exportados como Zinfandel, e não como Primitivo. O cenário vitivinicultor apresenta mudanças para esta região. Com novas técnicas de produção, baixos rendimentos e gestão cuidadosa dos vinhedos, as vinícolas oferecem novos exemplares de vinhos da Puglia. Em vez de vinhos ralos temos versões ricas, concentrados e saudáveis que se desenvolvem bem sob o sol quente italiano.


 Zinfandel é uma variedade tinta plantada em mais de 10% dos vinhedos da Califórnia. A identificação de DNA revelou que ela é geneticamente equivalente a uva croata  Crljenak Kaštelanski, e também a Primitivo variedade tradicionalmente cultivada no "calcanhar" da Itália.

A uva encontrou o seu caminho para os Estados Unidos em 1820, e ficou conhecida pelo nome "Zinfandel", rapidamente percorreu todo o país ganhando notoriedade pelo seu vigor e alta produtividade.
Durante a corrida do ouro do final do século 19 a uva Zinfandel era uma das favoritas dos mineiros e a saudade entre os imigrantes italianos, para o vinho semelhante ao da sua pátria. A Lei Seca não abrandou o seu crescimento, e na década de 1950 ocupou algumas das mais famosas áreas do norte da Califórnia.

Durante a década de 1990, poucas vinícolas da Califórnia começaram a fazer maravilhosos tintos da uva Zinfandel. Robert Mondavi, provou que poderia fazer um Zinfandel com maior “peso”, um vinho generoso e de classe mundial. Uma explosão ocorreu em popularidade e hoje existem centenas de Zinfandels vinda de todas as principais regiões produtoras de vinho da Califórnia. Os especialmente bons, são as versões que apresentam uma produção de "vinhas velhas". O "velho", neste caso, são as videiras muitas vezes de 40 anos.

sexta-feira, 13 de março de 2015

Os vinhos de 50 Tons de Cinza


Umas das trilogias de maior sucesso dos últimos tempos, 50 Tons de Cinza, além de surpreendente traz o charme e a elegância dos vinhos franceses da região do Vale do Loire, mais precisamente do vilarejo de Sancerre. Famoso pela uva Sauvignon Blanc, o solo na região é bastante alcalino, baseado em calcário o que ajuda a promover características “minerais” no vinho, ao invés de sabores muito frutados, como nos Sauvignon Blancs dos países do Novo Mundo.

Não é a toa que a autora do livro escolheu o “Sancerre” como vinho do protagonista, pois assim como a personagem o vinho é muito elegante e marcante.

Aliás, uma ótima sugestão para a sua leitura é o Sancerre de Pascal Jolivet. Quer comprar? Vai lá: http://www.todovino.com.br/vinho-pascal-jolivet-sancerre-750ml-1286.aspx/p

quinta-feira, 12 de março de 2015

A história de uma viagem, de uma herança, de uma busca. Uma homenagem que vale a pena assistir!
Bonito e inspirador.


quinta-feira, 5 de março de 2015